Horários de funcionamento: 9h às 18h. Aberto de segunda à sexta.

São Luís-MA, BRASIL

Rua Djalma Dutra, 128, Centro

A Fundação de São Luís

CONHEÇA A VERDADEIRA HISTÓRIA DE FUNDAÇÃO DE SÃO LUÍS

A Fundação de São Luís

HISTÓRIA SÃO LUÍS : : FRANÇA EQUINOCIAL

Na Linha do Tempo abaixo você viajará sobre a história de São Luís e conhecerá o passo a passo seguido por Daniel de La Touche até culminar na Fundação da França Equinocial.

Agosto de 1572

O massacre aos protestantes de Paris, conhecido por "A Noite de São Bartolomeu", desencadeou, no coração dos protestantes franceses, o desejo por uma nova França livre da perseguição religiosa.

1594

12 anos depois, o capitão Francês Jacques Riffault levanta uma feitoria no Maranhão.

1609

O Rei Henrique IV envia o capitão Daniel de La Touche, Senhor de La Ravardière, para reconhecimento do Brasil Setentrional, que viria a chamar-se França Equinocial.

Maio de 1610

O Rei Henrique IV, amigo de Daniel de La Touche, foi assassinado em Paris, dentro de sua carruagem.

Outubro de 1611

A Rainha regente Maria de Médici escreve uma carta a Daniel de La Touche, informando-o que apenas a religião Católica Apostólica Romana deveria ser pregada na Nova França, a França Equinocial.

Agosto de 1612

A Expedição de La Touche chega à Ilha do Maranhão, Upaon Açu, terra dos Tupinambá, que se tornaram seus melhores amigos em terra estrangeira.

Setembro de 1612

Após a construção de uma fortificação, com a ajuda dos nativos, que incluía casas, prédio administrativo, armazém, porto e muralha de defesa, a França Equinocial foi fundada através de um culto.

Novembro de 1614

Inicia-se um grande conflito contra os invasores portugueses que queriam tomar as terras da França Equinocial.

Novembro de 1615

Mesmo em maior número e melhores condições militares, Daniel obedece às ordens da rainha regente da França, que mandava entregar as terras aos católicos e se rende.

Janeiro de 1616

Daniel de La Touche, após rendição, embarca de volta para a Europa em uma embarcação Portuguesa e resolve ficar em Portugal, não retornando à França.

1619

Em Portugal, acusado de ser um "potencial traidor" da coroa portuguesa, Daniel foi encarcerado na Torre de Belém por 3 anos.

1622

Daniel é liberto do seu cárcere à pedido do Rei James, da Inglaterra, e retoma às suas atividades marítimas fundando a Guiana Francesa, entre outros lugares. Terminando sua vida em terras francesas como pastor e deputado do partido protestante da França.